fbpx

Sobre a transferência no processo terapêutico

“As necessidades humanas básicas por ligação e segurança explicam o porquê estocamos em nossas memórias o que descobrimos das nossas relações significativas. Como criaturas sociais, com capacidade para aprendizagem, estamos inclinados a recorrer a experiências passadas para melhorar nossas chances de sobreviver.

Sempre que nos encontramos em uma situação que é ou parece ser interpessoalmente familiar, muito naturalmente e de forma compreensível recorremos ao que sabemos. Além disso, fazemos isso automaticamente em nossas interações diárias com companheiros e com pessoas novas que podem vir a ter um potencial significado. A transferência, portanto, é a ativação de uma representação mental que inclui pessoas importantes do passado, a própria vivência nesse relacionamento, e quaisquer padrões de comportamento relevantes”.

(Texto: Transferência como um processo sociocognitivo mensurável: uma aplicação do modelo de Estados do Ego de Scilligo – Pio Scilligo, TAJ v.41 n.3 July 2011 p.196-205. Imagem: freepick)

+3
avataravataravatar

Deixe uma resposta

Rolar para cima